Ações ABDI

Página Inicial > Notícias

Voltar

ABDI Na mídia Newsletters

Evento na China discute estratégias de ampliação global do uso de energias limpas

Em reunião reservada a ministros e delegados, hoje pela manhã, em Beijing, China, países que lideram os avanços no setor de energia limpa no mundo apresentaram suas ações, iniciativas e campanhas no segundo dia da 8ª Conferência Ministerial de Energia Limpa - CEM8 e a 2ª Missão Ministerial de Inovação - MI-2. Jorge Boeira, especialista em Desenvolvimento Produtivo da ABDI, é um dos quatro delegados brasileiros no evento.

Entre os temas discutidos, Boeira ressalta o desafio da utilização de sistemas de resfriamento e de ar condicionado inteligentes, eficientes e acessíveis. “Estudos trazem dados alarmantes sobre a utilização destes equipamentos no mundo: até 2040, o consumo de energia elétrica pelo uso de ar condicionado em regiões de clima quente será 64% maior que hoje, um acréscimo anual de 23,1 milhões de toneladas de dióxido de carbono”, cita.

Outro grande poluidor são os veículos movidos a combustíveis líquidos, derivados do petróleo. A meta é alcançar 20 milhões de carros elétricos e híbridos até 2020 pelo mundo. “Vários avanços já foram obtidos, mas ainda são muito tímidos perto do desafio que o mundo enfrenta”, avalia Boeira. Sete países já possuem 1% da sua frota com carros elétricos: China, Dinamarca, França, Holanda, Noruega, Suécia e Reino Unido.

Na área de eficiência energética, um grande esforço está em curso por parte do Grupo de Trabalho de Gestão de Energia. A ideia é certificar 50.001 organizações em todo mundo até 2020 com a ISO 50001, norma que permite que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo. O GT pretende incentivar e acelerar o uso da norma na indústria e em edifícios comerciais em todo o mundo.

Outro Grupo de Trabalho formado a partir deste evento é o de Energia Eólica e Solar. O GT se dedica a buscar soluções para aumentar a competitividade das fontes, sem subsídios, por meio de incremento de tecnologia e custos menores. Boeira destaca que “o envolvimento do RE100 (grupo de empresas mais influentes do mundo, comprometidas com a energia 100% renovável, criado na Climate Week NYC 2014) neste processo amplia a iniciativa de modo global e indica o uso massivo de fontes renováveis de energia por todos os setores”. O GT também está imbuído da responsabilidade de propor e apoiar a introdução de soluções holísticas para acelerar a transição para sistemas de energia mais baratos, confiáveis, eficientes e limpos, além de soluções para lidar com a intermitência das fontes solar e eólica. “Projetos específicos estão sendo levados a cabo por Índia, África do Sul e México.”

Um dos pontos de maior atenção para o especialista da ABDI é o “corporate sourcing”, uma das ações decorrentes da iniciativa de ampliar a oferta de energia de fontes renováveis. O conceito de corporate sourcing busca ampliar significativamente o número de empresas de diferentes tamanhos a utilizar energia renovável nas suas operações, além de apoiar políticas públicas e reconhecer as empresas comprometidas e que já fazem uso de renováveis nas suas operações (caso da RE100). “Já são mais de 95 empresas globais unidas nesse projeto. Tal ideia pode abrir um canal de comunicação para adotarmos essa prática para as 500 maiores empresas do Brasil.”

Boeira ressalta, por fim, a importância da plataforma de smart grids. “Dentre os sete desafios da inovação levantados por meio de um trabalho voluntário e colaborativo em oficina realizada em Londres em setembro de 2016, cabe destacar plataforma de smart grids para chamar atenção das cúpulas políticas nacionais e do mercado para que contribuam para viabilizar um grid elétrico no futuro cada vez mais acessível, confiável, flexível e capaz de incorporar cada vez mais sistemas elétricos renováveis descentralizados”, afirma.

O evento é o mais importante encontro sobre energias limpas no mundo e vai até amanhã, dia 8, em Beijing, na China.