ENCONTRE AQUI

ABDI e Embrapa apresentam resultados de estudo sobre biomassa em Sorriso (MT)

O estudo completo sobre a utilização de biomassa na região será apresentado no Seminário Agroenergia, nesta terça-feira (16), no Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT)

Fernando Rotta | 15/04/2019

Um estudo realizado, no período de oito meses, na região de Sorriso (MT) fez um mapeamento completo da biomassa (bioprodutos, resíduos e efluentes) disponível no município. Um dos produtos destacados pelo levantamento é o etanol de milho. Atualmente, são produzidos 22 mil litros por dia do combustível. Entretanto, este número vai aumentar. O documento aponta que a instalação de uma nova empresa na cidade em 2020, deve promover um incremento de 9.000% na produção diária. A agroindústria gerará dois milhões de litros a cada 24 horas.

Outro ponto que chama atenção no documento, é o grande número de bioprodutos oriundos de soja não transgênica. São sete, entre eles biodiesel, gliecerina e SPC – utilizado para a ração animal. “Antes da realização deste estudo, não se tinha muita ideia das potencialidades locais. A importância da soja e do milho era nítida, mas não existiam números exatos”, destaca o analista de Produtividade e Inovação da ABDI, Antonio Tafuri.

Os dados são resultado de um projeto piloto desenvolvido em Sorriso (MT), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em conjunto com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Agroenergia. O estudo será apresentado nesta terça-feira (16), no Instituto Federal do Mato Grosso – Campus Sorriso, às 19 horas. As informações pretendem subsidiar o setor produtivo, para atuar de forma mais estratégica. Podendo tanto utilizar biomassa para gerar energia, como para criar novos produtos com os resíduos dos processos produtivos.

Novos negócios

Antonio Tafuri, que participará do evento, destaca que o mapeamento pode ajudar a desenvolver as mais diversas cadeias produtivas. “O projeto pode ajudar a gerar energia em localidades onde existe carência de luz elétrica. Essa é uma demanda do setor agrário”. Tafuri também explica que Sorriso vai servir de experiência para o Brasil. “A ideia é fazer um sistema que colete dados de todo o país. Com informações sobre a localização dos insumos, as agroindústrias conseguirão se posicionar de forma mais estratégica no território”, projeta.

Atualmente, parte da produção das agroindústrias do Brasil é perdida por falta de energia elétrica. O interior do Mato Grosso é uma das localidades que também é afetada pelo problema. “A biomassa é uma saída muito interessante para a carência energética. Com os resíduos é possível fazer energia própria que pode aumentar a rentabilidade da empresa e da região como um todo, inclusive criando mais empregos”, relata.

O estudo ainda mostrou detalhes sobre a produção agrícola da região. São seis matérias (algodão, arroz, aves, milho, peixes e soja) que depois do processo agroindustrial geram 23 subprodutos. Estes resultados alimentarão o “Sistema de inteligência e gestão de biomassas para uso energético e agroindustrial no Brasil” e ficarão à disposição do público nos portais da Embrapa e da ABDI. A plataforma virtual será lançada em 2019, nela irá constar um mapa da biomassa em todo o país, além de informações econômicas e sobre produção.

O que é biomassa? Biomassa pode ser todo tipo de material orgânico – tanto vegetal como animal.

» PROGRAMAÇÃO
19h – 19h20: Abertura (IFMT, ABDI, Embrapa Agroenergia e Fundação Sorriso)
19h20 – 20h: Apresentação dos resultados do mapeamento de biomassas em Sorriso
20h – 20h30: Palestra “Etanol de milho no Mato Grosso: oportunidades e desafios”
Palestrante: Adriano Luís Soriano (especialista na Produção de Etanol de Cereais, pioneiro desta tecnologia no Brasil, com 13 anos dedicados ao Etanol de Cereais, especialização na The Ethanol School Montreal Canadá)
20h30 – 20h50: Perguntas e respostas
20h50 – 21h: Encerramento

» SERVIÇO
Horário: 19h às 21h
Local: Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT), Campus Sorriso