ENCONTRE AQUI

Analytics é para todos

A última live do Jornada Digital mostrou como as ferramentas de analytics são essenciais para melhores tomadas de decisões

UCM | 18/11/2021

A análise de dados não só aumenta a eficiência, mas também ajuda a identificar novas oportunidades de negócios que podem ter sido negligenciadas. A quinta e última live da série de mentorias coletivas do Jornada Digital recebeu o fundador e CEO da Oncase, Iandé Coutinho. O especialista falou sobre Ferramentas de Analytics para micro e pequenas empresas. O debate virtual é uma realização da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Mapa de Digitalização das MPEs, uma pesquisa realizada pela ABDI e a FGV, revelou algumas dores das empresas no processo de transformação digital. “Com o intuito de apoiar as MPEs, convidamos alguns especialistas para desmitificarem esses temas nessa série de lives. Esse é um dos assuntos mais importantes para o microempresário: como usar a análise de dados nos negócios”, explicou a Analista de Inovação e Produtividade da Agência, Karen Leal.
Conheça o Jornada Digital (https://jornadadigital.abdi.com.br).

O uso de dados na tomada de decisão tem sido apontado como um dos maiores responsáveis pelo aumento de competitividade das empresas. De acordo com o coordenador de projetos da FGV, Marcel Levi, “estudos da OCDE realizados na Europa apontam que a produtividade da empresa aumenta até 6 pontos percentuais só com o uso de ferramentas de biga data na condução de negócios”. 

Com as ferramentas de análise de dados é possível não apenas entender melhor o cliente, mas também compreender o movimento do mercado. “O uso de dados mudou a base da competição. Quem possuir a melhor estratégia de uso se sairá melhor”, afirmou Iandé Coutinho.

No entanto, segundo o especialista, não adianta ter informações sem que haja uma boa análise. “Precisamos de um processo de refinamento para extrair valor das informações. E essas informações precisam fazer com que a instituição mude de comportamento”, definiu.

Para uma empresa ser orientada por dados (data driven) é preciso definir o que é uma boa métrica para aquela instituição, se as pessoas estão capacitadas e habilitadas para analisar os dados coletados, se a cultura da empresa suporta e incentiva a utilização dos dados e quais são as ações orientadas aos dados dentro da cadeia de valor analítica. Iandé explicou que Data driven significa o progresso em uma atividade influenciada por dados ao invés de somente pela intuição ou por experiência pessoal.

O especialista trouxe ainda informações do Harvard Businesse Review que aponta que empresas com maior nível de maturidade analítica conseguem ter até 2 vezes mais faturamento em mercados novos ou existentes, quando comparadas com empresas que não tem essa cultura.

Perdeu o evento? Assista:

https://www.youtube.com/watch?v=9Lour3vCEkQ