ENCONTRE AQUI

30 soluções para mudar o mundo

Programa será lançado no dia 20 de março, em 16 países. Intenção é promover soluções inteligentes e inovadoras dentro dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

CCom | 15/03/2019

Com apoio da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Impact HUB lançaram nesta quarta-feira (20), no Brasil e em outros 15 países, a terceira edição do programa Accelerate 2030. A estratégia passa por incentivar negócios de alto impacto, com potencial de gerar efeitos econômicos, sociais e ambientais positivos em escala global.

“A ABDI é a agência de inteligência para o setor produtivo brasileiro. Neste sentido, a parceria com o Impact Hub e o PNUD é estratégica, porque possibilita que os empreendedores do país ganhem escala global. Os novos modelos de negócio devem encarar os grandes desafios para as questões de sustentabilidade e nós queremos que o Brasil seja um ator importante na proposição destas soluções”, destaca Guto Ferreira, presidente da ABDI.

O objetivo é identificar soluções inteligentes, inovadoras e sustentáveis, já colocadas em prática, que contribuam para o alcance de um ou mais dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), para que possam ser aplicadas em escala global. No Brasil, as seis capitais que possuem unidades do Impact Hub participam do programa: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Manaus e Florianópolis.

A principal missão do Accelerate 2030 é apoiar empreendimentos que contribuem com os ODS para alavancar seu impacto. Para isso, a iniciativa oferece aos empreendedores selecionados acesso a um programa de aceleração que inclui treinamentos, o desenvolvimento de um plano para escala global, fomento a conexões estratégicas e suporte especializado. A expectativa é que 30 projetos sejam escolhidos e passem pelo programa de capacitação nas unidades do Impact Hub no Brasil. Os três que apresentarem melhor desempenho serão indicados para a etapa global.

"Acreditamos que os empreendedores podem desempenhar um papel importante no avanço de soluções não convencionais para os desafios cada vez mais complexos e críticos do mundo. No entanto, para fazer isso, eles precisam de mais do que um ecossistema favorável para prosperar, mas também de um impulso e acesso a redes específicas de suporte em sua jornada para crescer em nível global. E é isso que o Accelerate 2030 vem oferecer", diz o coordenador do programa no Brasil, André Maciel, co-fundador do Impact Hub no país.

Em outubro, os empreendedores à frente dos projetos escolhidos viajarão para Genebra, na Suíça, onde participarão de encontros com agências internacionais e rodadas de negócios com potenciais interessados de todas as partes do mundo, além de se destacarem com a chancela do PNUD em eventos como o Social Good Summit. A partir daí, seguem com apoio para abertura de portas ao redor do mundo.

“Nós percebemos que precisávamos sair da nossa zona de conforto e buscar parcerias com atores que conhecem bem este ecossistema empreendedor e que sabem como inovar e dar suporte às startups. O Impact Hub tem esta rede de empreendedores e startups ao redor do mundo, então vimos que era o parceiro perfeito”, explica Maria Luisa Silva, diretora do PNUD em Genebra.

Etapas

O Accelerate 2030 é composto por duas etapas, uma nacional e outra internacional. A primeira é a fase de preparação dos negócios para escala global. Nesse sentido, serão feitos encontros locais e entre todos os selecionados no país, com o objetivo de capacitar os empreendedores, aprimorar práticas de mensuração de impacto, elaborar plano de escala global, oferecer suporte e fazer contato com especialistas, investidores, mentores e parceiros ao redor do mundo, de acordo com as necessidades de cada negócio.

Ao final desse processo, os negócios participarão de um evento nacional em Brasília, que reunirá os mais importantes agentes do empreendedorismo no Brasil e, em seguida, seguirão para a Europa para representar o Brasil na etapa global do programa.

A fase global tem início com uma imersão em Genebra, na Suíça, quando os finalistas dos 16 países passarão por diversas rodadas de negócio e serão destaque em eventos globais voltados aos ODSs. Após esta imersão, receberão suporte, por mais nove meses, de organizações internacionais como o próprio PNUD e o International Trade Centre para abertura de portas em seus mercados chave.

Brasileiro finalista

A última edição do Accelerate 2030 aconteceu em 2017, quando mais de 500 projetos se inscreveram e 50 se tornaram finalistas. Ao todo, 15 iniciativas foram selecionadas e receberam apoio para se tornarem iniciativas de impacto global.

Entre esses empreendedores estava Ezequiel Vedana, do Piipee. Ele desenvolveu e patenteou uma solução líquida que, ao ser borrifada em um vaso sanitário com urina, reage com o rejeito, dispensando a utilização da descarga e, consequentemente, economizando água. "Fui um dia ao banheiro e, depois de fazer xixi, pensei: 'estraguei muita água limpa'. A partir daí tive a ideia de desenvolver algo que dispensasse a descarga durante a micção. Foram sete meses de tentativas até chegar em uma solução. Primeiro desenvolvemos um produto para ser usados em empresas, depois veio o spray para ser usado em casa”, conta.

O empreendedor se inscreveu no Accelerate 2030, foi um dos finalistas e, em 2018, passou pela fase global do Programa. “Hoje temos 400 clientes no Brasil e em outros cinco países. Mas nosso maior orgulho é que conseguimos economizar 400 milhões de litros de água desde 2015", conta Vedana.

O Accelerate 2030 tem, em escala mundial, o apoio da Pfizer e do International Trade Centre (ITC). No Brasil, tem o apoio da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da Fundação Boticário.

As empresas interessadas em fazer inscrição podem acessar brazil.accelerate2030.net.