ENCONTRE AQUI

Laboratório Vivo quer melhorar a vida do cidadão

ABDI e PTI inauguraram, nesta quarta-feira (16), o laboratório vivo para cidades inteligentes. O projeto pretende ser uma vitrine futurista para prefeitos de todo o Brasil

Fernando Rotta | 16/01/2019

Estacionamento inteligente, compartilhamento de veículos e bicicletas, recarga de carros elétricos e iluminação inteligente são algumas das tecnologias instaladas no Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes inaugurado, nesta quarta-feira (16), em Foz do Iguaçu (PR). O ambiente funciona dentro do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), por onde circulam até nove mil pessoas por dia.

No lançamento, o diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Miguel Nery, frisou a modernização que o projeto pode proporcionar aos municípios. “Temos a possibilidade de desenvolver um projeto robusto que vai ter impacto direto nas cidades brasileiras e nos cidadãos. Um local que garanta que nossas cidades desenvolvam tecnologia com qualidade é fundamental para esse processo”, disse.

O diretor superintende do Parque Tecnológico Itaipu, Jorge Callado, também ressaltou o impacto que o projeto pode ter nos municípios brasileiros. “Estamos aqui para subsidiar soluções e sanar demandas, essa é uma ótima largada. A cidade começou quando deixamos de ser nômades, junto com as cidades foram criados diversos confortos, mas também existem desafios: mobilidade, educação, saúde... Por isso precisamos pensar tecnologias”.

Durante a cerimônia foi descrito o funcionamento do local. O especialista em Projetos de Cidades Inteligentes da ABDI, Tiago Faierstein, destacou os objetivos do laboratório. “Nós vamos trazer o que de mais novo for desenvolvido para cidades inteligentes por empresas nacionais. O segundo objetivo é ser um local de testes. Então as empresas vão poder observar se as soluções funcionam, se são seguras...”.

O especialista ressaltou ainda que o projeto terá foco na demanda. “Nós vamos realizar os testes para atender, primeiramente, os 54 municípios da região de Foz de Iguaçu. Os problemas, destas localidades, devem ser similares aos desafios das mais de cinco mil cidades brasileiras”.

A Usina de Itaipu tem convênio firmado com 54 cidades da região para promover o desenvolvimento local. A expectativa é que estes municípios tenham participação ativa no Laboratório Vivo.

Laboratório

O Centro de Controle e Operações (CCO) é o ponto principal do Laboratório. Neste ambiente, o gestor terá uma ideia completa do funcionamento de um município inteligente. A sala faz a simulação do ambiente de gestão municipal. O CCO pode monitorar em tempo real um acontecimento. Além do Centro, estão instalados no local outras seis tecnologias: iluminação inteligente, estacionamento inteligente, compartilhamento de veículos e bicicletas, recarga de carro elétrico, monitoramento por drone e uma planta de biogás.

O Parque Tecnológico Itaipu integra as dependências da Usina de Itaipu, uma das maiores hidrelétricas do mundo e que responde por 18% do abastecimento energético do Brasil. O convênio firmado entre a ABDI e o PTI tem duração inicial de 18 meses, com possibilidade de prorrogação.