Ceará recebe o 1º giro regional do Programa Brasil Mais Produtivo

O programa oferece diagnóstico para as empresas, além de serviços que visam aumentar a competitividade dos negócios

O Ceará foi o primeiro estado a ser contemplado com o giro regional destinado à divulgação, orientação e engajamento do Programa Brasil Mais Produtivo, uma iniciativa do governo federal voltada para o fortalecimento das Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPES) em todo o país. A cerimônia de apresentação aconteceu nesta quinta-feira, 6, na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), em Fortaleza.

O Programa Brasil Mais Produtivo oferece diagnóstico para as empresas, além de uma série de serviços que visam aumentar a competitividade dos negócios. Entre os benefícios estão consultorias especializadas, educação profissional e apoio financeiro, todos focados em melhorar a gestão empresarial, otimizar processos produtivos e promover o uso de tecnologias inovadoras.

Durante o roadshow, o diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Carlos Geraldo, destacou o grande estímulo que o programa oferece para a indústria e para a geração de emprego e renda no país.

“Esse crescimento da produtividade que esperamos vai alcançar o lado social e a geração de empregos. Com a digitalização, nós vamos capacitar as pessoas para essa nova indústria que está surgindo. O Brasil precisa ser competitivo, precisa estar presente, precisa inovar. A indústria no Brasil ganha um apoio para isso, e nós estamos juntos”, destacou Carlos Geraldo.

O diretor do SENAI e superintendente do Sesi, Paulo André Holanda, representou o presidente da FIEC, Ricardo Cavalcante, na cerimônia. Ele destacou o impacto do programa para a economia local.

“O impacto esperado é significativo. No estado do Ceará, onde a indústria é responsável por mais de 20% do PIB estadual e constitui 23% de toda a arrecadação do ICMS, a arrecadação de todo esse programa será um grande impulsionador para a economia local. Além disso, as indústrias cearenses participam com 84% das exportações do estado, mostrando a importância de mantermos a competitividade e a inovação”, disse Holanda.

Segundo o superintendente do SEBRAE Ceará, Joaquim Cartaxo, o Brasil Mais Produtivo vai impactar, além das micro, pequenas e médias empresas, a indústria brasileira como um todo.

“Iniciar esse processo pelo Ceará nos orgulha muito. O programa terá uma ação direta sobre as indústrias no Brasil, se nos lembrarmos que mais de 90% dos CNPjs ativos são de micro e pequenas empresas”, explicou Cartaxo.

Durante o roadshow, o diretor de Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Carlos Geraldo, destacou o grande estímulo que o programa oferece para a indústria

Já o diretor de operação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), Marcelo Prim, falou da parte prática do programa que, entre outras atividades, prevê o acesso a conhecimentos e ferramentas que incluem planejamento de gestão e adoção de melhores práticas de produtividade e gestão do negócio, realização de consultorias (manufatura enxuta) e eficiência energética, aperfeiçoamento da força de trabalho, transformação digital e projetos smart factories (fábricas inteligentes).

“São técnicas concretas, que você aplica, observa, mensura e o empresário assina embaixo. É ganho real no final do mês e isso gera dinheiro no bolso. O empresário economiza e consegue contratar mais, comprar mais, a empresa cresce. O investimento faz a empresa crescer, tanto na infraestrutura quanto em quantidade de contratados, porque ele vende mais. E esse é o Brasil que a gente quer!”, afirmou Prim.

Inovação

O gerente do Senai Nacional, Flávio de Sousa Marinho, destacou a transformação digital, que é uma das modalidades do programa.

 “O eixo basicamente vai ser composto por duas grandes linhas de atuação. Uma linha que a gente vai entrar na empresa, entender qual é a situação em termos de adoção de tecnologia, o que a empresa tem hoje com as melhores práticas mundiais. Vamos induzir a criação de novas tecnologias. O Smart Factory, que é a outra forma de atuar nesse eixo, é a ferramenta que a gente está atuando, e o Ceará tem uma atuação muito interessante nessa linha, para desenvolver novos fornecedores para a tecnologia 4.0. Outras frentes virão em breve, estamos trabalhando e discutindo intensamente para que esse ecossistema de desenvolvimento industrial se amplie cada vez mais”.

O Brasil Mais Produtivo destina R$ 2,037 bilhões para o engajamento digital de 200 mil indústrias, com atendimento presencial a 93 mil empresas até 2027. A Plataforma de Produtividade está em operação desde 31 de janeiro e é a porta de entrada para as empresas participarem do programa.

A nova fase do Brasil Mais Produtivo contará com as seguintes modalidades de atendimento:

1. Plataforma de produtividade

200 mil micro, pequenas e médias empresas de todos os setores, engajadas na plataforma do programa (www.brasilmaisprodutivo.mdic.gov.br).

O acesso à Plataforma é completamente gratuito, tanto para as inscrições das empresas, quanto para a indicação do interesse nos produtos do programa ou para navegação no conteúdo disponibilizados por todos os parceiros institucionais, como conteúdos de cursos, materiais e ferramentas sobre produtividade e transformação digital.

2. Diagnóstico e melhoria de gestão

– 50 mil micro e pequenas empresas industriais receberão ações 100% gratuitas de inovação e melhoria da gestão com a metodologia ALI do Sebrae.

3. Otimização de processos industriais – consultoria mais educação profissional

– 30 mil micro e pequenas indústrias e 3 mil médias indústrias receberão consultorias especializadas, concomitantemente com a realização de assessoria em educação profissional para definição de trilhas de cursos de aperfeiçoamento profissional para os trabalhadores das empresas atendidas, com as metodologias do SENAl em manufatura enxuta e eficiência energética.

4. Transformação Digital

– Em 8,4 mil micro, pequenas e médias indústrias serão aplicados projetos de PD&I para o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias que acelerem a adoção de tecnologias 4.0. Os projetos serão desenvolvidos por 360 novos provedores de soluções tecnológicas.

Outras 1,2 mil médias indústrias receberão consultoria para um plano de transformação digital, além de acesso à descontos em cursos de pós-graduação.

Com essas ações, o Programa Brasil Mais Produtivo visa não apenas aumentar a eficiência e a produtividade das empresas, mas também promover um ambiente de negócios mais dinâmico e competitivo, impulsionando o crescimento econômico regional e nacional.

As MPES interessadas em participar do programa podem obter mais informações e realizar sua inscrição por meio do site:

https://brasilmaisprodutivo.mdic.gov.br

Programa Brasil Mais Produtivo

Maior e mais abrangente programa de apoio à produtividade e à transformação digital para micros, pequenas e médias empresas do país, o Brasil Mais Produtivo é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), tem como executores o SENAI e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e parcerias com a ABDI, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES).

Multimídia

MetaIndústria