Estudo estima em R$ 590 bi benefícios do 5G

Estudo estima em R$ 590 bi benefícios do 5G

As conclusões da Pesquisa da SEPEC/ME, conduzida pela Deloitte em parceria com o PNUD Brasil, foram apresentadas durante webinar nesta terça

O impacto das soluções 5G, reduzindo custos e aumentando a produtividade das empresas, pode chegar a R$ 590 bilhões por ano para todas as verticais da economia. É o que mostra o Estudo sobre o Ecossistema de Inovação 5G feito pela Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade (SEPEC)/Ministério da Economia, Deloitte e PNUD Brasil durante o webinar 5G Brasil: Recomendação de Políticas Públicas. O objetivo do levantamento é reunir insumos para a construção de um programa nacional estruturante para o 5G no Brasil.

O estudo analisou experiências internacionais e realizou um mapeamento da maturidade do ecossistema de soluções digitais e aplicações do 5G no País. Considerando somente a demanda potencial de software, a expectativa de valor total até 2031 é de R$ 101 bilhões, sendo que R$ 10 bilhões seriam para software de rede – incluindo oportunidade do Open RAN para desenvolvimento de ecossistema e parcerias internacionais – e R$ 91 bilhões para software de aplicações.

Igor Calvet, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), afirmou que os dados apresentados no estudo são importantes porque mostram que é preciso fortalecer a aliança entre setores público e privado para que as empresas brasileiras possam captar essas soluções tecnológicas que virão da disrupção gerada pelo 5G.

“Coloco a ABDI à disposição de todos para que, juntos, construamos as condições favoráveis para que essas sugestões de soluções e mesmo esses problemas endereçados sejam todos revertidos em benefícios para população e setor produtivo em direção à quinta geração da nossa economia- mais pujante e moderna. A inovação é um caminho para aumentar a produtividade e o 5G exponencializa esse ganho”, concluiu.

Daniella Marques, Secretária Especial de Produtividade e Competitividade do ME, destacou que o 5G poderia ser uma alavanca para catapultar o mercado de economia digital, com foco principal nos setores de software e de startups. “Falar de 5G é falar de um mercado em movimento no Brasil. O estudo e o debate de hoje certamente ajudarão e pavimentarão esse caminho, termos subsídios que vão gerar ideias e transformá-las em iniciativas concretas de políticas públicas”, disse.

Katyna Argueta, representante do PNUD Brasil destacou que entender os desafios, oportunidades e necessidade do ecossistema 5G é fundamental. “A transformação digital inclusiva é definida como um habilitador das transformações estruturais que os países precisam perseguir para promover seu desenvolvimento sustentável. A Agenda do 5G amplia a escala dos desafios e possibilidades”, afirmou.

A iniciativa da pesquisa está alinhada com as ações previstas na Estratégia Brasileira de Transformação Digital (e-Digital), capitaneada pela Casa Civil da Presidência da República e apoiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

“A transformação digital no Brasil vem sendo construída tijolo a tijolo até finalmente chegar no leilão do 5G. Atualmente a infraestrutura está sendo instalada e de fato as pessoas vão poder rodar as aplicações. O estudo traz uma fotografia do que existe hoje no Brasil e qual a potencial real do país”, explicou Jose Gontijo, Secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTIC .

A pesquisa

O estudo foi feito a partir de entrevistas com diversos atores de tecnologia e de telecomunicações e estimou a demanda por produtos e serviços em diversas verticais, estudando os gargalos, oportunidades e riscos. Após todo o processo, foram elaboradas as recomendações de ações de política pública que poderiam ser adotadas.

Além dos potenciais bilionários relacionados à tecnologia disruptiva, o estudo encontrou que os países líderes em 5G adotaram diversas estratégias nacionais para fomentar a tecnologia. O ponto em comum é que realizam políticas públicas que visam alavancar os elementos do ecossistema mais consolidados dos respectivos países – por exemplo, empresas de telecomunicações, desenvolvedores de infraestrutura de rede, universidades e startups.

"O ecossistema brasileiro ainda é incipiente, mas espera-se que a realização do leilão e o avanço da conectividade possam fornecer maior agilidade para o amadurecimento do mercado”, afirmou Marcia Ogawa, sócia da Deloitte Brasil.

Ao identificar cinco principais barreiras para o desenvolvimento do ecossistema 5G no Brasil, o estudo do Ministério da Economia elaborou 96 sugestões de ações e propostas de políticas públicas, classificadas em oito temas. Nesse contexto, foram priorizados seis temas para formar a base de um programa nacional estruturante para o avanço da tecnologia no País: Desenvolvimento de capital humano; Desenvolvimento de infraestrutura; Empreendedorismo; Estímulo à pesquisa, desenvolvimento e inovação; Suporte financeiro e tributário; e Coordenação e aproximação do ecossistema.

Perdeu o evento? Assista:

 

Multimídia

MetaIndústria

Mais Vistas