Investimentos em digitalização caem após dois trimestres de alta

Investimentos em digitalização caem após dois trimestres de alta

Setor de comércio apresentou a maior queda e o da construção teve a menor retração. Dados são referentes ao 4º trimestre de 2022

Os resultados da quarta Sondagem sobre Transformação Digital nas empresas brasileiras, desenvolvida em parceria pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostram que houve redução dos investimentos realizados em digitalização entre o 3º e 4º trimestre de 2022, após dois trimestres ininterruptos de alta. O cenário é o mesmo para o indicador que avalia a previsão de investimentos para os próximos três meses. 

O indicador de investimentos em digitalização retraiu 5,5 pontos, passando de 125,4 para 119,9 pontos, no último trimestre de 2022. Já a previsão de investimentos passou de 124,8 para 121,1 pontos no 4º trimestre de 2022, uma queda de 3,7 pontos, após forte alta no trimestre anterior.  O Índice de Transformação Digital (ITD) oscila entre o mínimo de zero ponto e o máximo de 200 pontos, onde o patamar de 100 pontos é considerado neutro. Valores inferiores significam desaceleração, enquanto valores superiores sinalizam aceleração.

O cenário observado para o setor Empresarial também está refletido nas Micro e Pequenas Empresas (MPEs) entrevistadas pela sondagem. Os dois indicadores estudados apresentaram queda no 4º trimestre de 2022, comparativamente ao trimestre anterior. Os investimentos em digitalização realizados retraíram 2,5 pontos, atingindo a marca de 114,4 pontos no 4º trimestre. Essa é a primeira queda apresentada pelo índice ao longo do ano de 2022. Os investimentos em digitalização previstos passaram de 115,9 para 111,2, uma redução de 4,7 pontos.

A sondagem também verificou o percentual de empresas entrevistadas que relataram ter aumentado, não ter alterado, diminuído ou que não realizam investimentos em digitalização. No setor Empresarial, no 4º trimestre, apenas 22,1% das empresas informaram terem aumentado os investimentos em digitalização. Esse é o segundo menor valor percentual desde o início da pesquisa. Além disso, 53,3% e 22,4% relataram que os investimentos não se alteraram e que não realizaram investimentos em digitalização, respectivamente. 

“Esse resultado revela que no 4º trimestre de 2022, a decisão de grande parte das empresas foi ter maior cautela na expansão dos seus investimentos em digitalização. Em relação às empresas que diminuíram os investimentos, apenas 2,2% informaram contração nos gastos direcionados”, explica o analista de Produtividade e Inovação da ABDI, Raphael Ribeiro. 

Esse mesmo panorama se repete em relação às MPEs. Nesse setor, 17,0% das empresas entrevistadas informaram terem aumentado os investimentos em digitalização, enquanto 45,6% informaram não terem alterado e 34,7% informaram que não realizaram investimentos. 

“A proporção de MPEs que não realizaram investimentos em digitalização é bem maior do que no setor Empresarial como um todo, o que pode ser reflexo, principalmente, das dificuldades de crédito e planejamento das MPEs”, esclarece Ribeiro.

Quando se avalia o desempenho dos indicadores de investimento por setor, é possível perceber que nenhum setor apresentou alta no indicador que mede a evolução dos investimentos em digitalização das empresas. A pesquisa divide a análise em quatro setores principais: Comércio, Construção, Indústria de transformação e Serviços.

O setor de comércio apresentou a maior queda no indicador de investimentos em digitalização, recuando 11,4 pontos, atingindo o patamar de 116,8 pontos. O setor de serviços recuou 1,6 ponto, para 123,4 pontos, sendo o setor com maior parcela das empresas que aumentaram os investimentos (25,9%). O setor da construção teve a menor retração do trimestre, de 1,1 ponto, se estabilizando em torno de 110 pontos. Na indústria de transformação, os resultados obtidos apontam para uma queda de 7,0 pontos do indicador de investimentos em digitalização, que chega aos 119,4 pontos. 

O setor da Indústria e de Serviços apresentaram sucessivas altas no indicador ao longo do ano, mas caíram no último trimestre. Já o setor da Construção foi o que teve os menores níveis de digitalização desde o início da pesquisa, principalmente por conta da atividade-fim desempenhada que, em grande parte, não exige um processo de digitalização excessivo. Porém, a Construção foi o setor que apresentou a segunda maior alta entre o 1º e o 4º trimestre (5,3pp.), ficando atrás apenas de Serviços, que subiu 7,0 pp. na mesma janela.

A Sondagem sobre Transformação Digital nas empresas brasileiras tem o objetivo de preencher uma lacuna de indicadores destinados ao monitoramento da situação corrente da transformação digital nas empresas do país e das tendências para o curto e médio prazos. Sua periodicidade é trimestral e, no 4º trimestre de 2022, contou com uma amostra em torno de 4 mil empresas dos setores da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. A coleta das informações se deu via web ou por telefone.

Confira aqui a apresentação com os dados coletados. 

Multimídia

MetaIndústria

Mais Vistas