ENCONTRE AQUI

Consulta Pública para atualização do CNCT teve mais de mil contribuições

Questionário da ABDI para o setor produtivo subsidiou a Consulta Pública do MEC

Paula Fettermann | 06/08/2020

O mercado de trabalho demanda cada vez mais profissionais que possuem as habilidades socioemocionais (soft skills) e, também, domínio sobre as principais técnicas e ferramentas tecnológicas de sua área de formação. Essa foi a conclusão do levantamento feito pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) entre entidades do setor produtivo sobre cursos de capacitação voltados às necessidades atuais. A pesquisa serviu para subsidiar a consulta pública da versão preliminar do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do Ministério da Educação (MEC), que resultou em 1297 contribuições.

Para Eduardo Rezende, líder do projeto de competências profissionais e futuro do trabalho da ABDI, a pandemia de coronavírus trouxe desafios para o sistema de ensino e para o mercado de trabalho. “Esse grande número de contribuições demonstra a importância do tema da qualificação profissional para as instituições de oferta de formação e capacitação, do setor produtivo e da sociedade civil, principalmente no cenário atual de desenvolvimento e aceleração rumo à economia 4.0”, completou.

Segundo Marilza Regattieri, diretora de Políticas e Regulação de Educação Profissional e Tecnológica na Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec/MEC), a transformação digital foi, sem dúvida o pontapé para a atualização do CNCT. “O processo de atualização do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos se deu à luz das transformações tecnológicas, das necessidades socioeducacionais, bem como para aprimorar e fortalecer a oferta de Educação Profissional e Tecnológica”, explicou.

Consulta Pública

A consulta pública foi realizada entre os dias 6 e 10 de julho. Um grupo de especialistas da área sob a coordenação da Setec/MEC analisará as sugestões colhidas. A expectativa é que, no próximo mês, o documento resultante dessa etapa seja apresentado ao Conselho Nacional de Educação (CNE). Depois da apreciação e da aprovação pelo colegiado, e homologado pelo MEC, o novo instrumento substituirá o vigente, que é de 2014.

ABDI e o Futuro do Trabalho

A colaboração e o amplo diálogo têm pautado o processo de atualização do catálogo. O levantamento feito pela ABDI, por exemplo, é resultado de uma reunião promovida pela Agência e pelo MEC, em dezembro de 2019, que contou com o Ministério da Economia e vários segmentos do setor produtivo com o objetivo de aproximar MEC e indústria para entender quais são as ocupações e competências que os empregadores dos vários segmentos econômicos estão demandando e pretendem demandar nos próximos anos.

De acordo com o questionário da ABDI, a formação técnica deve proporcionar a compreensão global do processo produtivo e da cultura do trabalho, o que envolve além do saber tecnológico, o reconhecimento e a aplicação das habilidades necessárias à tomada de decisões. No entanto, as vagas de emprego com maior dificuldade para serem preenchidas são: Desenvolvedor Back end e front end, Cientista de Dados e Profissional de Inteligência Artificial – ligadas à área tecnológica. 

Além disso, a ABDI realizou também a pesquisa "Os Jovens e o Futuro do Trabalho", que ouviu 2.015 pessoas de 16 a 29 anos em todo o país no mês de setembro do ano passado. Clique aqui para ver a pesquisa completa. 

Catálogo Nacional de Cursos Técnicos

O CNCT reúne cursos técnicos, com informações sobre o perfil do profissional ao concluir cada curso, o respectivo campo de atuação, as normas para o exercício profissional, a infraestrutura mínima que a instituição de ensino deve dispor para oferta do curso, entre outros dados. É um instrumento de referência para as instituições de ensino que oferecem cursos técnicos.