ENCONTRE AQUI

Edital da ABDI mira startups com projetos para comunidades de baixa renda

Objetivo é amenizar impacto da pandemia do COVID-19 nas comunidades carentes ou em situações de vulnerabilidade

Fernanda Melazo | 15/04/2020

A crise do coronavírus afeta o país profundamente, mas principalmente a população mais vulnerável. Pensando nas cidades, bairros e comunidades de baixa renda, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) lançou, na última quarta-feira (dia 15), edital para buscar soluções inovadoras voltadas para essas comunidades. As inscrições serão abertas em breve por meio do site da ABDI. Acesse aqui o edital.

O Edital contempla três grandes frentes:  o enfrentamento da pandemia COVID-19, voltada para soluções inovadoras para otimizar os serviços de saúde; o enfrentamento dos impactos socioeconômicos, direcionado a projetos com ações de implementação imediata para enfrentar os desafios socioeconômicos relacionados à COVID-19; e finalmente, empreendedorismo, contemplando soluções voltadas à ações de desenvolvimento sustentável socioeconômico.

O terceiro eixo visa projetos com ações para mitigar os impactos na saúde e socioeconômicos relacionados à COVID-19, a curto e médio prazos, com duração de até 18 meses. “Será uma chamada com o olhar mais à frente, para o pós-crise” disse Lanna Dioum, líder do programa Startup Indústria da ABDI.

“Com o edital, queremos mobilizar as startups para ajudar as populações que mais podem ser impactadas com o coronavírus. Esperamos projetos inovadores no sentido de atender essas comunidades com soluções rápidas e com resultados efetivos”, afirma o presidente da ABDI, Igor Calvet.

A primeira chamada do Edital irá destinar R$ 2,5 milhões de reais divididos em R$1 milhão, para o primeiro lugar, e R$ 600 mil, R$ 500 mil e R$ 400 mil, para os 2º, 3º e 4º lugares respectivamente. O primeiro lugar deverá apresentar soluções relativas aos projetos que contemplem soluções de diagnóstico para o coronavírus. As demais premiações atendem todas as temáticas restantes.

“Nos projetos, as startups serão avaliadas sob dois aspectos: a maturidade da solução, e da própria startup, e o projeto em si. As interessadas vão ter que se inscrever como startup, apresentando a solução e também o projeto para encaixar à situação emergencial do coronavírus”, explicou Lanna.

As soluções deverão contemplar projetos em áreas como diagnóstico; monitoramento de sintomas à distância; monitoramento e gestão de leitos de UTI; monitoramento de temperatura; telemedicina e atendimento à distância, incluindo atendimento psicológico, monitoramento de grupos de risco e soluções de Big Data para geração e gestão de dados e inteligência sobre a pandemia.

No que se refere aos projetos para enfrentamento dos desafios socioeconômicos relacionados à COVID-19, as soluções deverão se encaixar em áreas como ferramentas de mapeamento e georreferenciamento para matching de doações às zonas com necessidades, soluções para sustentabilidade de pequenos e médios empreendedores e empresas, entre outras.

Mas, atenção aos interessados: “é preciso entregar o projeto juntamente com os custos de implementação que já deverão ser previstos e contemplados dentro da premiação! explicou Lanna. 

Acesse aqui o edital