ENCONTRE AQUI

O start veio das startups

Tecnologia e Mobilização. Isso é o que está fazendo a diferença no combate ao coronavírus. Startups do Brasil e do Mundo têm mostrado que a rede de solidariedade aliada à tecnologia pode fazer a diferença.

Kátia Maia | 23/03/2020

O cenário da propagação do coronavírus no Brasil e no mundo tem mudado de um dia para o outro. As mesmas 24horas que significam novos casos foram essenciais para a startup 3DLopes, de Belo horizonte, fazer a diferença para o Hospital das Clínicas de BH. A startup é parceira do programa Conexão Startup Indústria da ABDI.

“O avanço acelerado da pandemia da COVID-19  demanda respostas tecnológicas rápidas, e as startups, que têm em seu DNA a resiliência e a agilidade de buscar soluções, têm respondido com avanços surpreendentes, em tempo recorde aos desafios enfrentados hoje no Brasil, com um ingrediente a mais: a solidariedade”, avalia Lanna Dioum, Coordenadora do Programa Conexão Startup Indústria.

A 3DLopes produziu máscaras transparentes de proteção para serem utilizadas pelas equipes de saúde que atuam na recepção de pacientes da Covid-19 no HC-BH. O modelo utilizado é da empresa Prusa (Tcheca) referência em impressão 3D em todo o mundo. “Numa conversa com o hospital sobre como a impressão 3D poderia ajudar, mostramos o vídeo da máscara que a República Tcheca estava fazendo, e veio a ideia de replicar aqui”, contou Daniel de Paula Lopes, fundador da startup 3DLopes.

Isso foi às 5h da tarde da quinta-feira, 19.03, no fim do dia 20.03, sexta-feira, trinta máscaras já estavam prontas para entregar ao Hospital. O segredo? Mobilização e Tecnologia! A empresa Tcheca disponibilizou os arquivos para a impressão e a 3DLopes entrou em contato com um grupo chamado Trem Maker.

“É uma rede onde discutimos muitas demandas relacionadas à impressão 3D, corte a laser, usinagem, e, rapidamente, o responsável pelo Faz Maker Space se dispôs a conseguir a parte transparente da máscara e disponibilizar o corte a laser e a matéria prima também”, explicou.

Três horas depois da conversa, as partes frontais das 30 máscaras já estavam prontas. “Depois, foi só colocarmos todas as impressoras 3D da 3DLopes para imprimir os encaixes da máscara”, relatou. A máscara ajudará com maior proteção às equipes de saúde, impedindo que qualquer gotícula por espirro ou tosse, por exemplo, atinja o profissional enquanto estiver em atendimento do positivado.

Em condições normais, segundo Daniel, a produção de uma máscara dessa seria bem mais lenta. “Estamos fazendo um esforço maior para em menos tempo ajudar mais”, explica. Para Daniel, as Startups tem muito a oferecer nesse momento de crise com a Covid-19 “principalmente pela velocidade das soluções que a gente traz. Até mesmo no processo de fabricar essas máquinas, rapidamente, nos articulamos e em 24 horas já trouxemos a solução na mão”, comemora.

Conexão Startup Indústria

A 3DLopes existe há seis ano e agora em 2020 é parceira da ABDI no programa Conexão Startup Indústria. Ela já desenvolveu sete produtos para o Grupo Boticário, empresa participante do programa.

A relação entre o coronavírus e a impressão 3D tem resultado em boas práticas em todo o mundo. Na Itália, um hospital de Brescia (região próxima a uma das piores áreas de infecção por coronavírus) conseguiu por meio de mobilização entre empresas de impressão 3D a fabricação de válvulas de ventilação utilizadas em UTIS. Em outra iniciativa aqui no Brasil, uma basileira criou uma rede de designers, engenheiros e pesquisadores, para produzir peças em 3D para equipamentos de UTI usados no tratamento da Covid-19.

“É impressionante o ritmo de mobilização das iniciativas nas quais as startups têm se prontificado para auxiliar a urgência deste momento”, destacou Lanna. Segundo ela, algumas das tecnologias já utilizadas ou adaptadas por nossas startups são inteligência artificial para prontuários e protocolos clínicos, impressão 3D, telemedicina, diagnóstico, IOT entre outras”, concluiu.