ENCONTRE AQUI

Petrolina: Primeira cidade do Nordeste a implantar laboratório vivo

Prefeito do município de Pernambuco diz que empresas já estão autorizadas a usarem o novo ambiente de validação de tecnologias

Fernanda Melazo | 13/08/2020

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, assinou nesta quinta-feira (13/08), decreto que institui o Programa Sandbox, com as presenças do presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Igor Calvet; e o secretário Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano, do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Tiago Pontes Queiróz.

Segundo Miguel Coelho, as empresas já estão liberadas para se instalarem e iniciarem seus protótipos e suas fases de preparação. Segundo o prefeito, o laboratório vivo “é uma semente que a gente está plantando aqui no sertão do São Francisco, para que a gente possa colher bons frutos no futuro, e frutos que vão render muito mais conexões e muito mais possibilidades para um futuro inovador”.

O termo “sandbox” significa ambiente isolado, específico para testes. O objetivo do sandbox de Petrolina, ou laboratório vivo, é ser um local de realização de testes e desenvolvimento de novas tecnologias para atender as necessidades do município. No laboratório, tecnologias de cidades inteligentes serão testadas e validadas. O ambiente terá a participação de startups, empresas de base tecnológica, e parceria com o ecossistema de inovação regional. 

“Petrolina é a primeira cidade no Nordeste com o primeiro laboratório vivo do sertão. A parceria com a prefeitura de Petrolina é muito importante e, certamente, vai dar à cidade a dianteira na área de adoção de tecnologias”, afirmou o presidente da ABDI, Igor Calvet.

O laboratório vivo contará com recursos financeiros repassados à ABDI pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Serão aportados ao todo R$ 7,5 milhões no projeto, sendo R$ 5 milhões do MDR e R$ 2,5 milhões da ABDI. A iniciativa conta ainda com a parceria do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico (INDT). 

“O MDR tem se preocupado em intensificar diversas rotas e diversos estímulos e incentivos à população. Um dos pontos cruciais para o ministério é a rota da tecnologia da informação, a chamada Rota TIC, onde a gente apoia, de maneira incansável, as cidades inteligentes. Esse decreto de Sandbox será pioneiro”, disse o secretário do MDR, Tiago Queiróz. 

Segundo Igor Calvet, as tecnologias de cidades inteligentes, além de tornar as cidades mais tecnológicas, promovem, especialmente, o bem estar aos moradores, com oferecimento de melhores soluções para os serviços públicos, a mobilidade urbana, e a saúde. 
“Vamos demonstrar que as tecnologias servem para os cidadãos e, por outro, atraem várias empresas de base tecnológica para fazer investimentos na cidade”, afirmou.

Instalações

Após o decreto, a ABDI iniciará as instalações para criação do laboratório vivo de Cidades Inteligentes. No projeto, está prevista a criação de um centro de comando e controle (CCO), além da instalação de: semáforos inteligentes, iluminação pública inteligente, câmeras de alta definição e softwares de inteligência artificial para reconhecimento facial e de placas de veículos. 

Além destas, posteriormente, empresas poderão utilizar a infraestrutura criada para demonstrar e testar tecnologias de bicicletas compartilhadas, carros elétricos compartilhados, monitoramento climático e meteorológico, hidrômetros inteligentes, lixeiras inteligentes, monitoramento e atuação inteligente por drones, geração de energia solar, entre outros.

Laboratório vivo e Cidades Inteligentes

O Laboratório Vivo é uma vitrine para demonstração e avaliação de soluções tecnológicas para Cidades Inteligentes. O intuito é promover maior competitividade e visibilidade às tecnologias instaladas no país relacionadas a Cidades Inteligentes.

Em janeiro de 2019, foi inaugurado o Living Lab (Laboratório Vivo) de Cidades Inteligentes, em parceria com o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu (PR).  Os testes estão focados em três pilares: usabilidade, interoperabilidade e cibersegurança.

O sandbox de Petrolina será o primeiro resultado do Acordo de Cooperação Técnica assinado entre a ABDI e a prefeitura no início deste ano (leia a matéria).