Setor da construção civil ganhará guias de contratação BIM

Setor da construção civil ganhará guias de contratação BIM

Com a correalização da ABDI, coletânea terá três volumes e oferecerá gratuitamente orientações sobre contratos, licitação e biblioteca BIM
BIM

Engajada no processo de digitalização do setor da construção civil e visando a consolidação da metodologia Building Information Modelling (BIM) ou Modelagem da Informação da Construção no Brasil, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) é correalizadora do projeto Guias de Contratação BIM, uma coletânea de três volumes direcionada a empresas e ao setor público. O objetivo é disponibilizar orientações práticas e acessíveis de modelagem BIM que contemplem os temas contratação, licitação e biblioteca BIM e que dialoguem com todos os diferentes perfis: gestores públicos e privados, empresas, fabricantes de objetos BIM.

O primeiro volume foi lançado, oficialmente, em maio deste ano e já está disponível para download gratuito: “Conceitos básicos e requisitos para contratação BIM”. Conforme sugere o título, trata-se de uma introdução ao tema de contratação BIM: apresenta as diferenças entre os empreendimentos que usam BIM e os que têm por base o CAD; o que muda nos processos e entregáveis de uma ferramenta para outra; traça um panorama dos impactos, a depender se o planejamento foi feito em CAD ou BIM, desde a definição dos objetivos, a seleção, concorrência ou licitação, acompanhamento da execução até as entregas e a aceitação dos serviços e produtos contratados.

“O material é público, gratuito, trará economicidade para as compras públicas, intensificará a transparência dos processos licitatórios, será uma fonte de conhecimento para o setor e dará segurança aos entes envolvidos”, avalia o analista de Produtividade e Inovação da ABDI, Leonardo Santana.

É crescente o número de profissionais e empresas que usam a metodologia BIM para o planejamento das atividades da indústria da construção civil brasileira. A última edição da pesquisa Cenário Construtivo Brasileiro, por exemplo, mostra que houve aumento de 14% no uso de BIM em 2023, em relação ao último dado obtido em 2021, de 58% para 64% dos entrevistados.

A digitalização da indústria da construção civil é um dos temas prioritários da ABDI e, desde 2017, a Agência está engajada em ações junto ao setor. “A produção dessa coletânea é mais uma contribuição e estamos certos de que ela vai auxiliar gestores públicos e privados na consolidação e execução dos contratos BIM”, destaca Igor Calvet, presidente da ABDI.

Os volumes dois e três da coletânea estão em produção e abordarão como executar Contratos em BIM e como participar de Licitações em BIM, respectivamente. Nos sites da ABDI e do BIM Fórum Brasil é possível acompanhar as informações sobre a publicação dos outros guias, que está previsto para lançamento no final do segundo semestre deste ano.

O projeto “Guias de Contratação BIM” é de iniciativa do BIM Fórum Brasil e conta com patrocínio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina (CAU/SC).

Bibliotecas BIM – Um outro documento orientativo, dedicado especificamente a objetos BIM, está sendo desenhado: “Guia de Bibliotecas BIM”. O planejamento de um empreendimento em BIM, totalmente digital, requer a previsão da obra do início ao fim e isso inclui a previsão dos materiais que serão necessários, como areia, argamassa, canos para tubulação, portas, janelas, entre outros.

Isso significa que esses objetos também devem estar no banco de dados do projeto virtual. Em outras palavras, é preciso transformar o catálogo físico dos produtos em digital. A motivação para a elaboração desse Guia é justamente sensibilizar a indústria de material para construção sobre a importância de disponibilizar uma biblioteca on-line dos objetos que fabricam. Dessa forma é criada uma Biblioteca BIM.

BIM no Brasil – Desde janeiro de 2021, obras e serviços de engenharia contratados por alguns órgãos da Administração Pública Federal devem ser executados em BIM. De acordo com o decreto 10.306/2020, a exigência acontece em três fases, sendo a primeira etapa, iniciada em 2021, dedicada somente a projetos. A partir de 2024, projetos e obras passam a ser incluídos nas exigências de BIM. E a partir de 2028, todas as fases da edificação (projetos, obras e pós-obras) passam a ser consideradas. Além disso, a nova lei de licitações, Lei n. 14.133/21, prevê o uso preferencial de BIM nas licitações para contratação de obras públicas, a partir de abril de 2024.

Já alinhada à Estratégia Nacional de Disseminação do BIM e com o objetivo de promover ganhos de produtividade e elevar a competitividade do setor da construção no país, a ABDI lançou, em 2018, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a Plataforma BIMBR, um portal que, além de possuir conteúdo dinâmico sobre BIM, hospeda a Biblioteca Nacional BIM (BNBIM), que é um repositório das bibliotecas de objetos BIM no Brasil.

Para receber os avisos dos próximos cursos do Democratizando BIM, basta se inscrever na Plataforma BIMBR e acompanhar a newsletter semanal do portal. 

Multimídia

MetaIndústria

Mais Vistas