Smart Factory divulga selecionados da 2ª chamada

Programa Brasil Mais Produtivo tem verba global de R$ 28 milhões. Última chamada acontece no segundo semestre de 2023

Seguindo com os investimentos em projetos em áreas como automação, metalmecânica e tecnologia da informação, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) anuncia as 18 iniciativas selecionadas na segunda chamada da categoria Smart Factory, que integra o Programa Brasil Mais Produtivo.

Para o presidente da ABDI, Igor Calvet, as empresas contempladas representarão o que a Agência e parceiros querem para o país, para um Brasil que tenha mais tecnologia. “Precisamos de soluções de baixo custo, mas de alto impacto para a nossa indústria”.

O programa é coordenado pelo Governo Federal e objetiva elevar os níveis de produtividade e de eficiência de micro, pequenas e médias empresas (MPME) industriais brasileiras por meio de capacitação, consultoria e promoção de melhorias rápidas, de baixo custo e alto impacto em suas operações.

O Brasil Mais Produtivo conta com os atendimentos para empresas industriais em três fases, com diferentes metodologias: manufatura enxuta (mentoria lean); digitalização (mentoria digital); e conectividade e fábricas inteligentes (Smart Factory). As duas primeiras fases estão em andamento com execução do SENAI.

Já a fase 3, ocorre em parceria formalizada entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), a ABDI e o SENAI para selecionar e financiar projetos de PD&I para soluções inovadoras que acelerem a adoção das tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0 e resolvam desafios relacionados à produtividade e melhoria de processo produtivo em MPMEs de diversos setores industriais brasileiros.

A categoria Smart Factory foi iniciada em 2022, e oferece R$ 28 milhões em investimentos, divididos em quatro chamadas de R$ 7 milhões cada. O objetivo do Governo Federal é possibilitar o desenvolvimento e a implementação de novas tecnologias em micro, pequenas e médias empresas industriais, ou seja, em ambientes reais e que sejam beneficiados com as melhorias. A expectativa é impactar ao menos 1.000 MPMEs.

Embora a segunda chamada contemple 18 projetos de desenvolvimento industrial, a Smart Factory vai selecionar um total de 60 iniciativas, cada uma classificada com o nível de Technology Readiness Level entre 6 e 9. As soluções e projetos do Smart Factory têm aplicação prática no desenvolvimento de processos industriais, melhoria de maquinário, equipamentos e sistemas, e abordam os seguintes tipos de tecnologias: manufatura aditiva (impressão 3D), tecnologias blockchain, Internet das Coisas (IoT), banda larga móvel, computação em nuvem, automação e robótica, realidade virtual, inteligência artificial, plataformas de hardware e novos materiais.

A terceira e última chamada da categoria Smart Factory acontece no segundo semestre de 2023. Para participar é preciso fazer parte de uma aliança formada, obrigatoriamente, por:

  • Empresa Parceira (EP): Empresa provedora de tecnologia habilitadora da indústria 4.0 com Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) industrial primário, secundário ou contribuinte do SENAI, de qualquer porte ou Startup de Base Tecnológica.
  • Coordenador: Instituto SENAI de Inovação ou Instituto SENAI de Tecnologia habilitados. A habilitação dos Institutos SENAI deverá cumprir pré-requisitos estabelecidos pelo SENAI Departamento Nacional que serão divulgados por meio do e-mail [email protected].
  • Clientes-Piloto: Micro, pequenas e médias empresas, com CNAE industrial primário, secundário ou contribuinte do SENAI, nas quais serão validadas as soluções objeto dos projetos de PD&I em suas linhas de produção.

 

As inscrições podem ser realizadas no Portal da Indústria

As 18 empresas aprovadas na segunda chamada são:

 

Multimídia

MetaIndústria