Glossário

*Clique na primeira letra do termo que deseja consultar.

A

B

C

D

E

I

N

P

R

S

T

A

Arranjo produtivo local:

Os arranjos produtivos podem ser constituídos por fornecedores, clientes, prestadores de serviços, bem como as instituições públicas e privadas que os apóiam na formação e capacitação de recursos humanos, na promoção do aprendizado e no financiamento de projetos coletivos. Trata-se de aglomerações locais de agentes econômicos, políticos e sociais, em que se desenvolve um conjunto específico de atividades produtivas de forma articulada e interdependente.

Atividades inovativas:

As atividades de inovação são etapas científicas, tecnológicas, organizacionais, financeiras e comerciais que conduzem, ou visam conduzir, à implementação de inovações. Algumas atividades de inovação são em si inovadoras, outras não são atividades novas, mas são necessárias para a implementação de inovações. As atividades de inovação também inserem a P&D que não está diretamente relacionada ao desenvolvimento de uma inovação específica.

Fonte: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf.

B

Blockchain:

Uma blockchain é um tipo de banco de dados que armazena qualquer coisa que tenha valor digital. Cada nova transação é salva em um bloco que, por sua vez, é adicionado a uma cadeia de registros existentes. Uma blockchain típica duplica os dados por uma rede aberta, de modo que todas as pessoas na blockchain possam ver suas atualizações simultaneamente e todas as atualizações sejam validadas através de um processo de verificação pública que garante precisão sem a necessidade de uma autoridade central, como um banco.

Fonte: https://www.ibm.com/br-pt/blockchain/what-is-blockchain

C

Compras públicas pré-comerciais:

Termo da economia da inovação cunhado na Europa e que se refere à aquisição de P&D sem associação direta com aquisições em larga escala de exploração comercial. Diferem do conceito de ETEC pois não permitem opção de compra, nem formas de remuneração que não o reembolso de custos.

Customização:

Refere-se à alteração pontual na solução, destinada a adequá-la aos requisitos do demandante. Não se confunde com a P&D e não possui risco tecnológico.

Compras públicas para inovação:

Termo da economia da inovação associado à utilização das compras públicas não apenas para atender a uma demanda do Estado, mas também para promover o desenvolvimento, introdução e difusão de inovações.

Competitividade:

Competitividade é o conjunto de instituições, políticas e fatores que determinam o nível de produtividade de um país. Para entender o que torna uma empresa competitiva é preciso considerar como ela realmente promove o bem-estar geral. Uma economia competitiva é produtiva, o que, em tese, leva ao crescimento econômico, renda e, assim, ao bem estar social. 

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2016/09/what-is-competitiveness/

D

Desenvolvimento experimental:

O desenvolvimento experimental consiste em trabalhos sistemáticos baseados nos conhecimentos existentes, obtidos pela investigação e/ou pela experiência prática, e dirige-se à produção de novos materiais, produtos ou dispositivos, à instalação de novos processos, sistemas e serviços, ou à melhoria substancial dos já existentes.

Fonte: https://www.oecd.org/sti/inno/frascati-manual.htm

E

Encomenda Tecnológica:

Compra pública direta destinada exclusivamente à aquisição do esforço de pesquisa e desenvolvimento com risco tecnológico e que tenha por objetivo criar produto, processo ou sistema não disponível no mercado.

Escalonamento:

Em atividades inovativas, diz respeito ao aumento da escala de produção destinada a aproximar o desenvolvimento final das reais necessidades de mercado.

I

Inovação:

Uma inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas.

Fonte: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf

Indústria 4.0:

Quarta Revolução Industrial é derivada da revolução digital – a Terceira -, sendo caracterizada por uma fusão de tecnologias que está apagando os limites entre as esferas física, digital e biológica. Diferencia-se da Terceira por três características principais: velocidade, escopo e impacto em sistemas de produção, de gerenciamento e de governança. Na Indústria 4.0, as possibilidades de bilhões de pessoas conectadas por dispositivos móveis, com capacidade de processamento sem precedentes, capacidade de armazenamento e acesso ao conhecimento, são ilimitadas. E essas possibilidades serão multiplicadas por avanços tecnológicos emergentes em campos como inteligência artificial, robótica, veículos autônomos, impressão 3-D, nanotecnologia, biotecnologia, ciência de materiais e armazenamento de energia.

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2016/01/the-fourth-industrial-revolution-what-it-means-and-how-to-respond/

N

Nível de Maturidade Tecnológica – TRL:

Metodologia originalmente desenvolvida pela NASA para definir o processo de evolução de uma dada tecnologia, mas que foi adaptada ao desenvolvimento de soluções que integram várias tecnologias em um mesmo artefato ou sistema. Possui 9 (nove) níveis que vão da pesquisa básica, destinada a responder questões científicas iniciais, à introdução da inovação no mercado. A magnitude da incerteza (risco tecnológico) é inversamente proporcional a passagens de níveis. Uma dada solução só pode ser considerada num determinado TRL quando ela cumprir todos os requisitos daquele nível. Do contrário, a solução permanece no nível anterior.

Indústria 4.0:

Quarta Revolução Industrial é derivada da revolução digital – a Terceira -, sendo caracterizada por uma fusão de tecnologias que está apagando os limites entre as esferas física, digital e biológica. Diferencia-se da Terceira por três características principais: velocidade, escopo e impacto em sistemas de produção, de gerenciamento e de governança. Na Indústria 4.0, as possibilidades de bilhões de pessoas conectadas por dispositivos móveis, com capacidade de processamento sem precedentes, capacidade de armazenamento e acesso ao conhecimento, são ilimitadas. E essas possibilidades serão multiplicadas por avanços tecnológicos emergentes em campos como inteligência artificial, robótica, veículos autônomos, impressão 3-D, nanotecnologia, biotecnologia, ciência de materiais e armazenamento de energia.

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2016/01/the-fourth-industrial-revolution-what-it-means-and-how-to-respond/

P

Políticas de inovação pelo lado da demanda:

Termo da economia da inovação que diz respeito ao conjunto de ações e instrumentos que promovem o desenvolvimento, introdução e difusão de inovações através da criação e/ou estímulo a mercados consumidores. São o oposto das políticas de inovação pelo lado da oferta, que garantem condições para que os agentes do sistema de inovação ofertem, por si só, novos produtos ou serviços.

Protótipo:

Um protótipo é um modelo original construído de forma a incluir todas as características técnicas e de funcionamento do novo produto. Por exemplo, quando uma bomba para líquidos corrosivos está em desenvolvimento são necessários vários protótipos para fazer ensaios de envelhecimento acelerado com produtos químicos diferentes. Existe um ciclo de retroalimentação, de forma que se os resultados dos ensaios do protótipo não são satisfatórios, estes resultados podem ser utilizados em novos trabalhos de desenvolvimento da bomba.

Fonte: https://www.oecd.org/sti/inno/frascati-manual.htm

Prova de conceito:

É a evidência documentada de um produto mínimo viável. Destina-se a testar uma tecnologia ou solução antes de sua prototipagem final e escalonamento.

Produtividade:

Em sua definição mais simples, produtividade laboral é a quantificação de resultados ou produtos por trabalhador. No mundo real, outros elementos são considerados. O Harvard Business Review recomenda que sejam consideradas nesse cálculo unidades de insumos, quais sejam, capital, trabalho e materiais, além da qualidade dos produtos.

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2016/07/what-is-productivity-and-how-do-you-measure-it/

R

Risco tecnológico:

Possibilidade de insucesso no desenvolvimento de solução, decorrente de processo em que o resultado é incerto em função do conhecimento técnico-científico insuficiente à época em que se decide pela realização da ação.

Fonte: 12 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9283.htm

S

Sustentabilidade:

Competitividade Sustentável é o conjunto de instituições, políticas e fatores que tornam uma nação produtiva a longo prazo, assegurando a sustentabilidade social e ambiental. 
Sustentabilidade Social, por sua vez, é definida como instituições, políticas e fatores que permitem a sociedade experimentar saúde, participação e segurança da melhor forma possível. Isso maximiza o potencial de todos os membros da sociedade, de forma que possam contribuir para e se beneficiar da prosperidade econômica do país.
Sustentabilidade Ambiental são as instituições, políticas e fatores que garantem uma gestão eficiente de recursos para possibilitar a prosperidade para as gerações presentes e futuras.

Fonte: http://reports.weforum.org/global-competitiveness-report-2014-2015/defining-sustainable-competitiveness/

T

Tecnologia:

Conjunto de conhecimentos científicos, técnicos e empíricos, incorporados ou não na forma de artefatos físicos e virtuais cuja aplicação tem por objetivo resolver questões práticas específicas.

Termo de Referência de Encomenda Tecnológica:

Documento que identifique, com nível de precisão adequado, o escopo da contratação, incluindo a descrição clara da demanda ou necessidade da Administração Pública, dos desafios propostos e dos resultados esperados (com eventuais requisitos de desempenho e características físicas do produto final), deixando que os agentes participantes da fase de negociação contratual apresentem suas soluções e metodologias de trabalho, dispensada a descrição de eventual solução previamente mapeada e suas especificações técnicas. Em determinadas situações, é possível que a Administração Pública já descreva no Termo de Referência a visão global da solução inovadora a ser desenvolvida, vedadas especificações excessivas, irrelevantes ou desnecessárias.